Política tecnológica para 2020 – Governo

Partilha nas tuas redes

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

O Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, afirmou que as linhas-chave do orçamento do Estado para 2020, na sua área governativa, são «o reforço da qualificação dos portugueses e o aumento do investimento público e privado da investigação e desenvolvimento».

Durante a apreciação na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2020, perante a Comissão de Orçamento e Finanças, Manuel Heitor referiu que a proposta de Orçamento do Estado para 2020, apresentada pelo Governo, é de «continuidade», mas tem a ambição de convergir «para a Europa do conhecimento até 2030».

«É claramente o melhor orçamento dos últimos cinco anos nesta área governativa, num contexto de valorização do posicionamento atlântico de Portugal na Europa», disse.

Aspetos-chave para área governativa da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

 
O Ministro destacou também, na sua intervenção inicial, os três aspetos-chave do orçamento previsto para a Ciência, Tecnologia e Ensino Superior: «o reforço do programa de compromisso com a ciência e o conhecimento, incluindo um acréscimo de dotação de fundos nacionais e comunitários para a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT),  em 7,5 %»; «o reforço da estratégia de modernização, qualificação e diversificação do ensino superior, com um aumento da dotação inicial de cerca de 55 milhões de euros, face a 2019; e, finalmente, «a inserção de Portugal no contexto europeu daquilo que são as atividades de observação da terra», recorrendo a sistemas espaciais, de forma a que o País atinja, até 2030, um posicionamento de liderança».
 
Sobre o primeiro aspeto, Manuel Heitor referiu que o reforço de 7,5% destina-se a contribuir para «a consolidação do sistema científico», estimulando o emprego científico e o desenvolvimento das carreiras académicas, «num esforço crescente de maturidade». Visa também consolidar a periodicidade do «investimento público».
 
Relativamente à estratégia de modernização, qualificação e diversificação do ensino superior – segundo aspeto – o Ministro disse que a dotação de cerca de 55 milhões de euros visa reforçar o posicionamento de Portugal no contexto europeu. É neste aspeto-chave que, segundo Manuel Heitor, insere-se «o plano nacional de alojamento para o ensino superior e que, neste orçamento, tem uma matéria expressiva naquilo que é a possibilidade de abdicação do princípio da onerosidade do Estado, sobretudo para fins de residência de estudantes».
 
Permitir que surjam «novas oportunidades da digitalização e da transição digital orientadas para aquilo que é a ação climática» é o objetivo do terceiro aspeto referido pelo Ministro.
 

Aumentar frequência ensino superior e o investimento privado

 
Antes de terminar, Manuel Heitor definiu, como metas para 2030, «atingir uma taxa de frequência do ensino superior de 6 em cada 10 jovens com 20 anos» (atualmente é de 50%) e chegar aos 3% de riqueza gerada em investigação e desenvolvimento com dois terços da despesa privada (que hoje é de 55%) e um terço da despesa pública.

Ajude-nos a crescer, visite a nossa página do Facebook e deixe o seu gosto, para ter acesso a toda a informação em primeira mão. Se achou o artigo interessante não esqueça de partilhar com os seus amigos ou nos seus grupos.

Mais informação

Notícias

App StayAway Covid

Numa análise rápida da aplicação lançada ontem, app StayAway Covid, pelo menos a Apple e a Goggle, ficarão com a informação de quem está infetado.

Planos para o seu website

Básico

Alojamento + Wordpress
75 Anual
  •  

pro

Básico + Tema profissional
125 Anual
  •  
Popular